A verdade sobre a curva base

Poder dióptrico para a curva base

Bases de lente padronizadas foram projetadas para cobrir toda a gama de poderes dióptricos em conformidade com a equação de Ostwalt (retângulos azuis). As modernas curvas base foram deslocadas para baixo, devido a preferências estéticas, para lentes mais planas (linhas vermelhas).

Quase todos os profissionais da oftalmologia estão familiarizados com a elipse de Tscherning, abaixo, que mostra as duas curvas de base da lente opticamente ideais para cada poder dióptrico. A curva superior representa o cálculo de Wollaston, de 1804.

 A curva inferior refere-se ao cálculo mais plano, mais viável, apresentado em 1898 por F. Ostwalt, que se tornou o modelo para as padronizadas curvas base da lente. Embora as recomendações contemporâneas para curva base sejam ligeiramente mais planas, em função de preferências estéticas, o cálculo de Ostwalt ainda é reconhecido como opticamente ideal.

Quando o poder dióptrico de uma lente é pareado à sua curva base ideal, o usuário obtém uma visão mais nítida, com astigmatismo oblíquo mínimo. Quando a curva base recai para além da gama ideal de dado poder dióptrico, a acuidade visual fora do eixo cai vertiginosamente. Quanto mais distante a curva de base estiver do cálculo ideal, mais rápido será o declínio da acuidade fora do eixo.

Essa ideia tem grandes implicações em uma lente progressiva, porque a área de visão de perto pode ser acessada somente em um ângulo oblíquo. Se houver uma correspondência fraca com a curva base, a acuidade visual do paciente pode sofrer uma queda abrupta na área de visão de perto. Pacientes com receituários de alta adição são ainda mais suscetíveis a se sentirem confinados a essas limitações.

Múltiplas curvas base ideais

Uma lente progressiva tem muitos poderes dióptricos, desde a área de visão de longe até a área de perto; consequentemente, tem muitas curvas base ideais, cuja dioptria aumenta em toda a extensão da lente de cima para baixo.

 

A lente progressiva tem muitos poderes dióptricos, consequentemente tem muitas curvas base ideais, cuja dioptria aumenta na extensão da lente de cima para baixo. O poder dióptrico da área de visão de longe demanda uma curva base mais plana ao passo que o poder dióptrico da área de visão de perto exige uma curva base mais acentuada.

No entanto, quando uma lente progressiva FREE FORM é processada a partir de um bloco de visão simples, os vários poderes dióptricos devem compartilhar uma única curva base, que pode não ser a ideal para a área de visão de perto. A lente Camber oferece uma solução MODERNA, que representa o futuro da tecnologia das lentes progressivas digitais. Nas páginas a seguir, mostraremos uma nova era na tecnologia de curva frontal, que oferece aos usuários campos de visão amplos e mais confortáveis, nas áreas de visão de longe e de perto.